Hepatite: longa jornada até o diagnóstico

Confirmei hoje, estou com hepatite. Ainda não sei qual das letrinhas é a minha, e espero que seja a mais comum, a Hepatite A, também conhecida como hepatite do viajante. Apropriado, não?

Tudo começou na segunda-feira passada. Uma dorzinha de cabeça chata. Logo associei às duas taças de vinho da noite anterior com meu amorzão e deixei pra lá. Na terça, acordei miseravelmente doente. Dor em todo corpo, dor de cabeça, febre, olhos queimando. Pronto, é dengue, pensei. De noite fomos ao pronto atendimento da Unimed, onde a médica que me atendeu disse ser muito cedo para fazer o exame específico para dengue, que costuma dar falso-negativo nos dois primeiros dias de sintomas. Me deu soro e analgésico, fez um hemograma para chegar as plaquetas e me mandou pra casa com orientação de voltar dali dois dias se não melhorasse.

Piorei. Na quinta de noite tive vômito. Na sexta de manhã voltei lá. Sendo o quarto dia de sintomas, eles saberiam se era dengue, não é mesmo? Não. Aqui começou meu martírio. Em vez de um exame sorológico para dengue, a plantonista que me atendeu fez novamente o hemograma com contagem de plaquetas, me deu plasil e analgésico, mais dois litros de soro. Quando o exame chegou vaticinou: não é dengue, é uma outra virose, minhas plaquetas estavam normais.

Quatro dias me sentindo miserável e com todos os sintomas de dengue, exceto a coceira e a vermelhidão na pele, como podem me mandar pra casa com um simples “é uma virose”? Bem, não posso dizer que erraram, afinal, hepatite também é um vírus.

Claro que tudo sempre pode piorar, na sexta de noite tive uma dor abdominal insana, como se tivesse levado uma pancada na barriga e todos os meus órgãos internos tivessem sido danificados. Não consegui dormir nem ficar deitada, na horizontal a dor era maior. Hospital de novo no sábado. Novamente um hemograma e um litro de soro com plasil e analgésico. O plantonista ficou intrigado com a dor abdominal, não relacionou com dengue – é um sintoma possível – nem com coisa nenhuma. Considerou apendicite em estágio inicial ou infecção pélvica, me solicitou um exame que não tinha no hospital e eu só poderia fazer na segunda (ultrasom total do abdômem). Era troca de plantão e quando terminei o soro outra plantonista me atendeu. Disse novamente que minhas plaquetas estavam normais, portanto não era dengue. Eu disse que tinha notado que minha urina estava mais escura, não pareceu relevante para ela naquele momento, me mandou pra casa reafirmando que se eu piorasse deveria voltar lá. Sofri até segunda daquela dor insana, sem sequer poder respirar fundo.

Na segunda, resolvi procurar um médico homeopata. Precisava urgentemente de alguém que apertasse minha mão na porta do consultório, me ouvisse com cuidado e me ajudasse. As três vezes em que estive no pronto atendimento, em dois hospitais diferentes, me senti uma peça numa linha de montagem. Nenhum dos médicos se apresentou, me disse seu nome, ou conversou comigo por mais de cinco minutos.

O homeopata ouviu minha história, me deu tempo de contar que eu tinha andado num assentamento em Mato Grosso, perguntou que tipo de água eu tinha tomado por lá. E associou minha urina escura com problemas hepáticos. Pediu uma penca de exames, que finalmente confirmaram que nunca foi dengue. Nem uma virose simples, mas uma bem contagiosa. Para completar, ontem me mexi rápido demais e dei um mal jeito nas costas, está doendo até agora.

Não consigo estudar há quase duas semanas, meus olhos ardem – estão ardendo nesse momento em que escrevo. Minha concentração foi pro espaço e passo a maior parte do tempo da cama pra rede, da rede pra cama. Com um pouco de consultórios e laboratórios nos intervalos. Vai passar. Leva alguns dias ainda, mas vai passar.

3 responses to “Hepatite: longa jornada até o diagnóstico

  1. Eu estou com dor no corpo já se fazem um ano. Ando de médicos em médicos particulares e nenhum ouve meu histórico clínico de quando iniciou e todas as etapas das dores. Já fiz exame de sague 4 vezes e sempre que vem o resultado me passam analgésico e calmantes. No meu quadro ou histórico clínico com certeza existem detalhes que deveriam ser levado em consideração mais quando tento explicar me cortam e não dão atenção. É uma lástima vc ir de encontro a um médico mesmo sendo particular e ele não te dar atenção pensando que sabe tudo quando na realidade está desatualizado, atrasado, apenas pensando na próxima consulta para ganhar seu dinheiro.

  2. Minha amiga e irmãzinha, o negócio ta feio ai hemmm?? Vou rezar pela sua melhora. que tal vc comprar um chip da tim para podermos conversar sempre? tem o plano infint podemos conversar bastante. Estamos com saudades ta na hora de vcs aparecerem por aqui. bjoooooossss amo vc.

  3. Puxa! E olha que não é serviço público! Onde é que vamos parar com esse descaso com as pessoas na área de saúde, onde o que importa é justamente a pessoa??

    Melhoras pra ti!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s