Category Archives: poesia

walk unafraid

assisti de novo o filme Livre, aquele da mulher que fez uma trilha de 100 dias para se reencontrar dentro de si. eu vivo me perdendo e me reencontrando dentro de mim mesma. o filme mexeu comigo.

vi a primeira vez em janeiro no cinema. minha mãe tinha tido alta a menos de uma semana e eu estava curtindo um novo romancinho. uma dessas adoráveis surpresas da estrada. suave e doce e na medida certa.

a vida estava ficando boa de novo. eu estava feliz. daquela felicidade titubeante, que a gente não sabe bem se é felicidade mesmo porque ainda carrega a memória da dor absurda que estava sentindo até ontem. o filme mexeu muito comigo.

sim, me deu vontade de fazer uma trilha como aquela. óbvio que deu. não sei se algum dia vou sair pelo mundo a caminhar sozinha durante três meses. talvez.

pois vi o filme de novo, agora em casa, podendo pausar para fixar vários momentos. a primeira frase que Cheryl põe nos livros da trilha é a que mais me toca.

If your nerve deny you, go above your nerve.

eu nunca me achei corajosa. não foi por coragem que mudei de Porto Alegre para Alta Floresta há 10 anos. não foi por coragem que larguei meu trabalho no melhor momento da minha carreira para casar. não foi coragem que me levou a largar cidade, doutorado, casa, gato e me separar. não foi coragem que me fez desistir da seleção para um novo doutorado e mudar para São Paulo.

a coragem me faltou e me falta em muitos momentos. esse verso resume o que é para mim o que as pessoas vêem como coragem nessa última década. sempre que a coragem me faltou, fui além dela.

também gosto da ideia que motiva a caminhada

Wild

viver é bom, mesmo quando também dói. eu tento me colocar no caminho da beleza dessa vida. todas as minhas escolhas até agora talvez tenham esse sentido.

São Paulo é uma cidade brutal e incrível. e bela, a sua maneira. tudo aqui é superlativo. estou aqui há um ano e não conheço nada. sinto que se morar 10, ainda não vou conhecer.

tampouco sinto que devo permanecer aqui muito tempo. quando olho para trás e vejo que esta é a sexta vez que me mudo desde 2005, tenho um certo receio de que essa jornada nunca terá fim.

os ciclos têm se repetido. deixar, chegar, adaptar, construir, gostar, partir de novo. o romancinho suave de janeiro não é mais romance, tampouco suave. está vivendo esse mesmo momento de partir-chegar. a última vez que nos vimos, me fez três vezes a mesma pergunta num período de menos de 12 horas. perguntei de volta por que ele me repetia a questão tantas vezes.

– tentando avaliar o que estou deixando para trás e o que vou encontrar lá.

na hora não pude responder nada de volta. mas a resposta é tão simples quanto assombrosa. não há como saber. só temos uma breve noção do que deixamos depois que partimos. só saberemos o que vamos encontrar no próximo quilômetro da estrada quando chegamos nele.

acho que é por isso que o filme me toca tanto. a vida não é feita de certezas. a vida é feita de presente.

walk unafraid.

Anúncios

Eu voo longe
o céu me chama
não posso evitar
Mas meu coração
fez ninho no teu
Nenhum refúgio
é lar sem ti

Na poesia
eu naufrago e me resgato
extravaso, exagero
não arco com consequências.

Na poesia
resolvo meus dramas
expurgo os fantasmas
me excedo.

Na poesia
exorcizo sentimentos
que me assombram
e desinquietam.

Na poesia
sou desmedida, desvairada
ID sem ego nem superego
Apenas sou.

Ela tenta me assustar
molha, gela, arrepia
me desafia

Mas não consegue
meu coração sempre
pertenceu a Porto Alegre

SAMSUNG

big girls don’t cry

num mundo perfeito, eu estaria vivendo meu happily ever after. estaria dando aulas de jornalismo na UFMS e/ou numa faculdade legal, meu enteado moraria conosco, Pingo teria um companheiro frajola, a gente moraria num apartamento grande com uma composteira na sacada, eu já teria parido um ou dois herdeiros e fechado a fábrica.

mas o mundo não é perfeito. a UFMS só quer saber de doutor em comunicação e as privadas, no máximo, de especialistas. meu enteado não está muito a fim de viver a nossa rotina de refeições saudáveis na hora certa. o apartamento é tão pequeno que mal cabe o Pingo, que dirá mais um gato e uma composteira. eu não fiz a linda princesinha de olhos azuis e cabelos castanhos que meu marido merecia ter.

cigana que sou, mudo de cidade de novo, daqui alguns dias. sem castelo, sem gato, sem herdeiros. sigo porque a vida é feita de encruzilhadas e a gente não pode ficar parado nos entroncamentos. uma hora tem que escolher um caminho.

contos de fadas nem sempre têm finais felizes, a Fergie sacou tudo.  mas, pelo menos, ainda tenho o príncipe.

The smell of your skin
Lingers on me now
You’re probably
On your flight
Back to your hometown
I need some shelter
Of my own protection baby
Be with myself in center
Clarity, peace, serenity

I hope you know
That this has nothing to do with you
It’s personal, myself and I
We got some straightening out to do
And I’m gonna miss you
Like a child
Misses their blanket
But I’ve gotta
To get a move
On with my life
It’s time to be
A big girl now
And big girls don’t cry

The path that I’m walking
I must go alone
I must take the baby steps
‘Til I’m full grown
Full grown
Fairy tales don’t always
Have a happy ending, do they?
And I foresee
The dark ahead if I stay

I hope you know
That this has nothing to do with you
It’s personal, myself and I
We got some straightening
Out to do
And I’m gonna miss you
Like a child misses their blanket
But I’ve gotta
Get a move on with my life
It’s time to be a big girl now
And big girls don’t cry

Like a little school mate
In the school yard
We’ll play jacks and uno cards
I’ll be your best friend
And you’ll be my valentine
Yes, you can hold my hand
If you want to
‘Cause I wanna hold yours too
We’ll be playmates and lovers
And share our secret worlds
But it’s time for me
To go home
It’s getting late
Dark outside
I need to be
With myself in center
Clarity, peace, serenity

I hope you know
That this
Has nothing to do with you
It’s personal, myself and I
We got
Some straightening
Out to do
And I’m gonna miss you
Like a child misses their blanket
But I’ve gotta
To get a move
On with my life
It’s time to be
A big girl now
And big girls don’t cry

Imagem

saudade2